Telefone: (11) 94064-2934 - Whatsapp: +55 (11) 94064-2934

Estridor na Infância

O ESTRIDOR é a respiração ruidosa decorrente do turbilhonamento do ar em uma via aérea estreitada.

O local de estreitamento pode ser mais superior (região da faringe ou da supra-glote), na região da glote (ao nível das pregas vocais) ou mais inferior (subglote ou região de traquéias e brônquios).

Esse estreitamento pode ocorrer por diversas causas:

– Inflamatória: laringites
– Tumoral: Papiloma, Hemangioma, Cisto, Linfangiomas
– Traumatismo: Mecânico, Inalatório, Químico, Traumas de Intubação
– Malformações e Alterações Congênitas: Malácia, Paralisia, Diafragma, Atresia, Estenose, Diastema
– Corpo Estranho

É importante uma avaliação médica e o papel do Otorrinolaringologista; além de uma boa anamnese com história clínica detalhada; e avaliar a anatomia da via aérea superior, visualização da laringe e da sua movimentação durante a inspiração, através do exame complementar de nasofibrolaringoscopia flexível. Caso o exame seja normal e ainda haja dúvida quanto ao ruído da respiração, o médico será responsável por solicitar outros exames ou, até mesmo, encaminhar para algum colega de outra especialidade. E caso esteja alterado, alguma conduta será adotada, seja ela clínica, expectante (acompanhamento) ou cirúrgica.

Os pais ou responsáveis pela criança precisam estar atentos aos SINAIS DE ALERTA, que são:

– Aumento da Frequência Respiratória
– Tiragens intercostais ou de fúrcula esternal
– Batimento de asa de nariz
– Cianose (a criança fica roxinha)
– Alteração da consciência (olhos vidrados, corpo mole, fica fora do padrão da normalidade da criança)
– Perda de peso ou não ganho de peso adequado para a idade.

A LARINGOMALÁCIA é a causa mais comum de estridor no 1° ano de vida e é responsável por 60 – 75% das alterações congênitas da laringe. Desencadeia um estridor, um ruído, durante a inspiração devido a uma flacidez dos tecidos laríngeos, como se fosse uma “laringe amolecida”.

O estridor diminui durante o repouso, em decúbito ventral e lateral e em hiperextensão cervical. Ele aumenta com agitação, alimentação (esforço físico), choro e decúbito dorsal (barriga para cima).

No geral, o desenvolvimento é normal e o prognóstico é bom com resolução espontânea até os 2 primeiros anos de vida.

Marque uma consulta e tire suas dúvidas.

Fechar Menu